Páginas

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

O PODER DOS QUADRINHOS

Fotolog do Lene Chaves

Todos estão carecas de saber que os quadrinhos são formas de arte completas. Quando falo essa ideia quero dizer que as histórias em quadrinhos não servem simplesmente para entreter, mas informar, emocionar e fazer pensar, demonstrando com acidez e/ou bom humor as mazelas políticas, sociais e pessoais de seus autores, leitores e de outros que muitas vezes não fazem a mínima ideia que existem tais formas de expressão no mundo.

Exemplos assim não faltam, desde o Batman apolítico/apocalíptico/terrorista de Frank Miller em "Batman Dark Knight", passando pelo V de "V de Vingança" do famigerado Alan Moore, até os blockbusters como "Guerra Civil" - que não deixam de refletir uma sociedade com medo do "melhor amigo" - e isso sem falar dos cartunistas brasileiros, que possuem a cultura da crítica tão forte em suas raízes desde Henfil - e nos primórdios com Ângelo Agostini - que é quase impossível contar a quantidade de artistas nacionais que se utilizaram de sua criatividade pela "causa maior", por mais simples que seja, que é a de gerar o pensamento crítico no leitor comum, friccionando com suas piadas mordazes e humor inteligente o cérebro muitas vezes inerte ou "preguiçoso" dos homens cotidianos.

Mudando um pouco de discurso, mas sem sair do tema, a sociedade atual, deitada no berço esplêndido da comunicação sem fronteiras e na liberdade de expressão gerada pela internet - nem que seja rápida e imediata - deu aos seus cidadãos o direito de se expressarem como quiserem sobre o que quiserem no momento que desejarem, mas que, infelizmente, é mal utilizado, gerando uma grande onda de mensagens vazias ou incompreensíveis quando não mais recebidas como alívios risonhos pouco duradouros e vazios do senso crítico necessário.

Isso pra mim não é arte nem forma de expressão válida, mas, na melhor das hipóteses, comédia de tarde de domingo, tão descartável quanto esquecível.

Impressionou-me então a tira que inicia esse post, uma verdadeira ilha de inteligência em meio à grande quantidade de mensagens bobas da internet, onde o autor - Lene Chaves, talvez um dos melhores do gênero - com um senso de humor mordaz e uma sagacidade de pensamento sem tamanho, conseguiu pegar um acontecimento triste, mas aparentemente sem resolução, e fazer-nos pensar sobre a atitude daqueles que proliferaram a ideia de: "condenar ela, devemos", sem antes sequer saber se a foto divulgada do caso era verdadeira ou falsa e correspondia à pessoa que cometeu o delito.

Vejam bem, em dois quadros Lene conseguiu criticar a atitude dos internautas, da ré e daqueles que se calaram diante o caso. Uma verdadeira pérola. Isso ao meu ver é quadrinho engajado, é quadrinho inteligente e crítico - por mais que por alguns possa ser considerado sem tato.

Não estou aqui dizendo que o entretenimento - leve, sem grandes desejos além do comportado em seu significado - deva ser deixado de lado, mas acredito que faltam mais exemplos como esse, em que a sociedade direcione seu olhar pra se si própria, suas atitudes e pensamentos, suas novas formas de relacionamento com as notícias e com as informações que são bombardeadas a cada link na grande rede.

Lene Chaves foi um que fez isso. Sinceramente espero que ele não seja o único.

Luís CS - redator do roteirozeapneia.blogspot.com, especialmente para o FQCE.

Atualizando a postagem já que o debate ganhou vulto. Primeiro o que está em questão não é a ação de um ou outro cartunista, mas a noção de limite que o artista impõe (ou não) a seu trabalho, assim como a perspectiva da mensagem cartunizada ter diversas interpretações ou dessa mesma mensagem ser mal interpretada. Essa é uma discussão não somente válida, mas importante para o amadurecimento profissional de quem lida com humor, cartum, charge e tira. Até onde vai o derecionamento do artista na construção de sua mensagem e até onde pode ir a interpretação dessa mensagem. A arte que abriu o debate veio do Lene Chaves, mas poderia ter sido qualquer outra algo do Angeli, Laerte, Mino ou do X, como esta abaixo. E por sinal essa tyira do X, faz a piado do Lene parecer brincadeira de parquinho.   
JJ Marreiro - cartunista






37 comentários:

  1. Acredito que aqui os comentários não serão apagados.

    A tira explora acontecimento recente que escandalizou muitas pessoas, acho que alguns chagaram a ver o vídeo da mulher louca que espancou um filhote de cachorro até a morte. A tira vem no rastro deste fato o que faz dela uma charge.

    A tira abre diversos temas para discussão como por exemplo qual o limite do humor? Qual a linha que divide a graça do constrangimento?
    Depois de criada a obra cai no mundo, pode ser interpretada de maneira incorreta?

    E aí?

    ResponderExcluir
  2. Acho bom o trabalho do Lene mais todo mundo erra, nessa ele errou legal. Nãodevia ter usado um fato terrível desse pra fazer piada.

    ResponderExcluir
  3. Será que é piada? Veja bem, não será um crítica "travestida" de piada? Acho que aí há uma mensagem pouco compreendida, acho que Lene nos fez parar pra pensar sobre nós mesmos. Veja, Lene Chaves não é bobo ou burro, ele não faria piada por fazer. Ele fui fundo em nossas opiniões e atitudes e sim, a tira dele incomoda, porque é sincera, porque reflete o real. E a realidade, convenhamos, incomoda pacas!

    ResponderExcluir
  4. Concordo com o que o Luís CS escreveu. Porém, devo acrescentar que pode acontecer do próprio autor não ter se dado conta do quão grande poderia ser o trabalho dele!
    E acho que foi o que aconteceu com o Lene... tanto que ele não só deletou as críticas postadas em seu flog quanto a própria postagem!
    Pessoalmente, achei a tira muito válida, por ser uma denúncia escancarada da crueldade humana!
    É de mau gosto? É cruel?
    Mas é claro que sim! Mas assim foi a atitude da tal enfermeira que matou o cão de estimação na frente da filha de 2 anos!
    O humor se presta a isso e vai além de fazer uma simples gracinha!
    Pena que o Lene não soube lidar com a sua própria tira de uma maneira bem mais tranquila, pois a tira se prestou muito bem ao debate!
    Mas o Lene é um grande artista, disso não há dúvida alguma!

    ResponderExcluir
  5. Ele deletou? Não sabia. Peguei a tira no deviant dele. Achei q merecia o comentário. Valeu pelas palavras, Lorde Lobo, e, sabendo disso, concordo com vc. Talvez ele não tenha tido toda essa noção, o que só faz a coisa ser mais esperta, ao meu ver, pois tornou o pensamento natural. Não sei, na minha cabeça parece ter tantos níveis - positivos - de compreensão aí.

    ResponderExcluir
  6. Não deve ter limite pra o humor. ACho que pode é tudo! Se tiver limite é censura e censura é que não pode.

    ResponderExcluir
  7. Lorde Lobo, eu soube lidar.
    Minha resposta foi essa, apaguei o post. Senti que a discussão ia partir pra o lado pessoal, pela maneira como alguns comentários foram feitos. Iam vir muitos hate mails antes que alguém discutisse o tema, e não a índole do cartunista. Não quero isso no meu fotolog. Não vale a pena criar atrito com as pessoas por causa de uma tira que nem pertence a linha editorial que eu sigo normalmente.
    Mas fiquem à vontade pra discutir o tema aqui no FQCE.
    Obrigado ao Luis e aos outros por terem entendido a piada!

    ResponderExcluir
  8. Aconteceu isso, Lene? Sério? Uma pena. Importante levarmos isso em frente: dissociar o autor de seu trabalho, se fosse assim, ninguém faria nada por dinheiro, todos seríamos autorais e me preocuparia muito caras como Neil Gaiman ou Katsuhiro Otomo ou Naoki Urasawa... sem falar no Alan Moore, né? Se bem que esse aí eu acho que é o que escreve...

    ResponderExcluir
  9. Ei, galera, pra quebrar o gelo, tem Lene no blog do Capítão Rapadura, confiram lá: http://capitaorapadurabrasil.blogspot.com/2011/12/me-da-um-pedaco.html

    ResponderExcluir
  10. Acho que vocês não estão indo ao cerne da questão. Não é o que o Lene ou o Rafinha Bastos fizeram ou deixaram de fazer a questão é "Há limites para o humor"? Quem impõe esses limites?

    Quando o Lene afirma que a tira não tem o mesmo teor da linha editorial com a qual trabalha normalmente ele aborda a questão e fornece informações elucidativas...O que mostra que ele sabe qual é sua linha de trabalho e até onde vai e optou por arriscar-se a cruzá-la com essa tira "mais pesada".

    O Aristides acima falou sobre não haver limites para o humor...Gostaria de saber mais opiniões nesse sentido. Nos anos 60/70 o limite era a censura da ditadura, onde está o limite hoje? Pela fala do Lene presumo que o artista faça uso de um termometro próprio para descobrir até onde aprofundar certo assunto ou tema. Mas onde entra o público nesse processo? Deve-se aceitar o que vier simnplesmente por estar qualificado como arte? Onde está o senso crítico? Quem determina o que é ou não é de mau gosto?

    Esta é a questão e não diz respeito ao artista supra-citado, mas à relação do criador com a mídia, com o público, com sua linha de trabalho e com a repercussão do que é comunicado.

    ResponderExcluir
  11. Concordo com o J. Agora é hora de passarmos a um outro tópico da discussão: quais os limites de um autor, editorialmente falando? Lene definiu os seus e falou que ultrapassou essa linha. Rafinha Bastos foi muito longe com sua piada, mas será que ele se distanciou de seu tipo de comédia, ele se traiu?

    Não é por ser arte que tudo pode, mas um autor trair sua linha de atuação me parece "torto", na falta de um vocábulo melhor. Acredito que há o humor - principalmente o crítico - refinado, sem apelações, como palavrões ou imagens fortes e que talvez seja o mais comum. Quando um humorista vai além dessa barreira é porque há arestas sobre uma ideia que não estão sendo vistas e é preciso um baque para que o público volte o olhar para elas. Andy Kaufman tinha um humor considerado abusivo na sua época, mas havia um objetivo em sua comédia que era despertar a inquietação.

    Reduzindo minha fala: acima de tudo acho que é preciso ter um objetivo claro no que se faz. Se vc é gore ou light, defina os porquês, pois assim vc define seu público.

    ResponderExcluir
  12. Acho absurdo a pessoa fazer um filme violentando sexualmente um recém-nacido. Se não tiver bomsenso pode tudo em nome da arte? Onde é que esse mundo vai parar?

    ResponderExcluir
  13. Não existem definições precisas para o mundo em que vivemos!! Não existem definições precisas para quem somos!! O mesmo vale para o humor!! Tudo pertence a esfera do muito complexo, sútil e elevado!! Mas temos que nos deparar com tudo isso, pois fomos jogados nesse realidade conturbada!! Tudo no final acaba sendo uma questão de escolhas!! O que sabemos é que a sociedade para manter em observância a sua integridade é fundada em princípios, preceitos, condutas morais, regras e regulamentos, muitos destes milenares!! Do contrário o pouco de orgem existente desmorona!! Nem todo mundo consegue atender e se moldar a esses paradigmas, pois voltamos a certeza de sermos complexos e únicos!! Mas a regulamentação de regras e normas é um mal necessário!! Qualquer um pode cometer um crime, mesmo ciente de que é algo errado e sujeito a sanção!! Pode vir a ser penalizado, de acordo com o grau de abuso ou agressão de seus atos e escolhas de ação ou omissão!! E isso nos leva ao posicionamento do artista dentro da sociedade!! O artista deve ser censurado?? Não, isso seria horrível!! E o público pode ser censurado pelo artista?? Existiria essa modalidade?? O leitor, poderia ser cerceado do direito de manifestar sua opinião diante da obra de um artista?? Como disse, acredito que tudo é uma questão de escolha!! O artista que faz a opção de enveredar por certos assuntos e posturas tem de estar preparado para responder por elas!! Dependendo do grau de abusividade a opnião pública irá se manifestar e talvez tudo recaia para a seara judicial!! Afinal o artista não está a margem da sociedade!! No máximo ele pode ter uma liberdade maior, fruto da criatividade, do espírito libertador e elevado da arte!! É uma condição natural e autêntica que o artista deve sim fazer uso, do contrário seu sentido se esvaziaria!! Mas dependendo do tema, se mal elaborado, se proposto de forma equivocada e no veículo inadequado, isso provavelmente trará consequências!! Continua ...

    ResponderExcluir
  14. E compete ao artista maturidade para responder pelos eventuais abusos que possa ter dirigido, mesmo que não intencionalmente, para alguma parcela do público, e não se esquivar deles, da mesma forma que um médico responderia por um erro médico, guardas é claro as devidas proporções!! Os profissionais das artes não são dotados de privilégios que os distinguam dos demais profissionais das outras profissões!! Agora para citar um caso absurdo que lembrei, infelizmente tivemos cartunistas que foram mortos por fazerem piadas com Deus!! Uma barbárie, mas que está sujeita de acontecer nesse nosso mundo complexo, para não dizer maluco!! Felizmente não encontramos essa realidade em nosso país!! Mas o que reforça a ideia de que tudo é uma questão de escolha, que resvala no ato de se exercitar o bom senso!! Sei que meus argumentos podem parecer extremamente conservadores, mas não podemos escapar de fatos maiores que nossos egos artísticos!! Talvez o artista brasileiro já se sinta tão reprimido por não gozar, em sua maioria, de prestígio e realização pecuniária, que a ideia de ter que ver sua liberdade limitada o cause grande desconforto!! A liberdade seria como um bônus pelas agruras da profissão!! Como se ao fazer uso do subversivo em alguns momentos pagassem dívidas pessoais em seu interior, na medida que as dívidas reais se acumulariam!! Impor limites ao seu trabalho criativo é realmente um preço chato que é melhor não pagar!! E na verdade todos os artistas do mundo estão sujeitos a isso!! Mas ao contrário do que possa parecer, não defendo um irrigessimento criativo!! O artista tem que gozar de um olhar diferenciado e amplo da sociedade, só não pode é se destacar dela, se considerar acima dela!! O que defendo é que junto com a liberdade exigida, e reinvindicada por todos quando da ameaça de censura, que em contra partida seja oferecida maturidade no curso das pequenas ações da vida do artista!! Porque com a maturidade e seriedade, pois estamos falando de um profissional, é que contemplamos a ética, algo intrínseco para obtenção de uma sociedade melhor!! Outras profissões debatem, estudam, normalizam por meio de códigos de ética, e como fica a postura do artista com relação a ética?? É um questionamento e preocupação existentes?? Quem aqui para para pensar nisso?? Não digo que não existam alguns que não se posicionem quanto a isso, mas será que isso é encarado do modo amplo??

    ResponderExcluir
  15. SOu contra a censura, mas a censura de todas as vias. Também aCho errado o artista deletar as críticas como disse o Lobo. O artista tem que re4sponder pelo que faz. Se publica um desenho de mau gosto deve segurar o tranco de desenhar desenhos de mau gosto mesmo vindo elogio ou reprimendas. Muito desenhista constrói carreira em cima de desenhos de mau gosto. S etem gente que gosta de desenho assim e se existe canto pra isso é errado desenhar isso? Não é. Porque não existe censura e porisso mesmo esses artistas podem falar dos tabus da sociedade. Se existe um filme que a pessoa molesta uma criança , como falou a moça em seu comentário - é porque a sociedade permite isso e lucra em cima disso. Se o artista faz esse tipo de arte ele deve ter sustentação pra aguentar o que as pessoas falarem de seu trabalho.

    Acho que a ética do artista está no seu trabalho ele faz no trabalho a ética que ele tem. A pessoa tem que questiona e pensar mais tem muita gente que não aguenta crítica opior é quem não tem opinião.

    ResponderExcluir
  16. Sinceramente, acho que isso tudo é tempestade em copo dágua. Essa ideia teria passado despercebido se fosse veiculado no Cyanid & Happiness ou no Mundo Canibal. Não estou cruzando limite nenhum, o que eu mostrei nessa tira já existe muito pior por aí. Tudo que fiz foi fazer o que ninguem esperava que eu fizesse. Aí ofendeu alguns e outros acharam que eu fui brilhante. Sobre apagar comentários do meu fotolog... cara, se eu nao gosto eu apago mesmo. Se o fotolog é meu e o site me dá ferramentas pra apagar, eu apago. Nada pessoal contra quem comentou. Afinal, não é uma bobagem dessas que define uma amizade. Mas eu apago mesmo, se pra mim houver motivo, e espero, do fundo do meu coração, que quem tiver comentários apagados do meu fotolog não se ofenda por isso, pq da minha parte continuo considerando-os meus amigos. E no caso em questão, eu ia até editar o texto do fotolog respondendo aos comentários e explicando pq eu apaguei e pedindo moderação na discussão. Mas qdo a edição saiu, já foi tarde, e preferi apagar o post inteiro.
    A reação a essa tira não me agradou. Eu sabia que ia gerar surpresa, mas não pensei que fossem levar isso tão a sério. Falar de responsabilidade, ética e sei lá mais o que. Acho que estão exagerando muito.
    Não sabia que voces estavam levando minhas tiras tão a sério. Fazer o inesperado ofende a muitos e me obriga a constantemente defender meu ponto de vista. E ficar preso ao que é esperado é chato e sem graça. Vou parar de fazer tiras. Não está mais divertido. Tá sério, e desse jeito eu não gosto.

    ResponderExcluir
  17. Lene, o que eu posso dizer disso é que LAMENTO NÃO TER SIDO EU O AUTOR DESTA TIRA!
    Te admiro pra caralho e acho que deverias encarar isso tudo de uma maneira mais tranquila! Porra, cara, coisa boa quando um trabalho nosso chama as pessoas pro diálogo!
    Quem disse que o humor só serve para fazer rir?
    Para de fazer tiras? Tu tá falando sério?! Deixa de bobagem, cara! Tu és um dos melhores!!!
    Já leu o trabalho do tirista X ( http://bichosdolixo.blogspot.com )? Ele segue uma linha escatológica! Há público para todos os gostos!
    E, cá entre nós, a pior censura é a auto-censura!
    E mais, cara, quando um artista lança sua obra no mundo, as reações podem ser as mais diversas e não as que ele espera! mas feliz daquele artista que toca o público! E teu trabalho tocou!
    Dias desses, uma leitora reclamou de uma charge minha, que são veiculadas diariamente no jornal em que trabalho... respondi a ela dizendo apenas o seguinte: "Não me tornes responsável pela TUA interpretação da minha charge"... isso vale pra tua tira também!
    Abraço e manda ver!!!

    ResponderExcluir
  18. Vejo que tá rolando duas discussões aí: uma sobre o teor da tira, limites do humor etc, e outra sobre censura. Sobre o teor da tira, já falei muito, olha nos comentarios anteriores. Sobre censura, eu acho que é, basicamente, quando vc impede uma pessoa de dizer o que ela quer dizer. E eu nao impedi ninguem de dizer nada. Eu li os comentários antes de apagar, então o que queriam me dizer foi dito. Só nao quis tornar publico no meu fotolog. Se é o meu espaço, eu tenho esse direito. É como voce reclamar com uma revista que não publicou sua cartinha e dizer que ela te censurou. Quem teve os comentarios apagados no meu fotolog pode se manifestar nos seus proprios fotologs ou blogs. Não to censurando ninguem. Mas se não quero publicar sua "cartinha" na minha "revista", estou no meu direito. Não vejo nenhuma questão ética envolvida aí.
    Dizendo de outra maneira, eu não me ofenderia se fosse um comentário meu apagado no fotolog de vocês, justamente por causa disso.
    E, sim, estou falando sério, vou parar com as tiras, pelo menos pelos próximos meses. As próximas tiras iam ter um teor parecido. Humor não serve só pra fazer rir, mas no meu caso era só esse o objetivo.
    Se a coisa fica séria, pra mim perde a graça. Simples e óbvio assim.
    Isso já tá me enchendo o saco, e não vou conseguir fazer mais tiras com o mesmo gosto de antes. Melhor dar um tempo.

    ResponderExcluir
  19. É por essas e por outras que uma boa conversa presencial nunca irá perder o seu valor!! E é o mais recomendado!! Artistas falando de assuntos delicados, ainda mais tomando como base a arte de um colega, sem esse recurso de estar olhando na cara é sempre complicado!! Olha só, nos meus comentários gigantes eu tentei abordar a sugestão do JJ de tratar dessa questão dos limites para o humor e para a arte!! Procurei ser abrangente, seguir uma linha de raciocínio de acordo com minhas opniões e visão da coisa, que não considero como absolutas ou fechadas, é bom deixar claro, pois estou nessa vida é para aprender, mas tentei ser sério sobre o assunto!! Relendo vi que fui chato pra cacete, me empolguei escrevendo, isso acontece as vezes, não acho que falei besteira, mas creio que fui mais fundo na coisa do que precisaria ir!! Meu objetivo era discursar de modo geral, sem endereçamentos!! Embora a minha discordância com o Lene sobre sua tirinha tenha sido recente, e isso sempre influência um pouco, minha intenção não era jogar o conteúdo do que falei contra ele!!

    Lene, foi chato ter tido comentários deletados também, mas estamos superando isso!! Apesar de me empolgar escrevendo, tenho certeza que não lhe ofereci nenhuma ofensa ou xingamento!! Isso não é do meu feitio!! Na verdade em cada um dos comentários que escrevi, em meio a minha crítica, busquei enaltecer algumas de suas qualidades e evocar o melhor de você como artista, aquela parcela que eu admiro em você!! Mas é claro que em meio a uma crítica, alguma passagem branda e amistosa tem a mesma correlação, para um artista que a recebe, daquelas linhas ilegíveis comuns em um final de contrato, ou seja, passa-se imperceptível para quem assina!! Isso vale para todo nós!! Por não te conhecer te julguei mal sim, lamento por isso, mas sua tirinha me provocou mal estar!! Crio e gosto de animais e esse episódio todo não foi dos mais agradáveis!!

    Até ontem julgava melhor nem ter passado no teu fotolog e ter visto a tirinha que me desagradou, mas hoje percebo que todo esse ocorrido, com toda essa discussão, foi válida e me proporcionou um aprendizado nos mais variados sentidos, levando-me até rever certos conceitos meus!!

    Agora todo mundo é bem grandinho para saber o que quer da vida!! Dá pra se tirar o melhor dessa experiência com o mínimo de boa vontade e partir pra frente com a cabeça erguida!! Claro, não dá pra garantir que a vida será somente de acertos e maravilhas, mas essa é a vida!! Bola pra frente!!

    ResponderExcluir
  20. Lene, quando comecei a escrever meu comentário anterior, o seu último não estava disponível no blog!! Cara, não preciso nem dizer que aqui ninguém é inimigo de ninguém!! Estamos sujeitos a desencontros, como também a propenção para o acordo é reforçada!!

    Pelos teus comentários percebo que não seria muito aconselhável você mudar sua linha editorial no momento!! Cara, eu achei muito engraçada tua tirinha do Centauro que postou recente, mas sabendo que tinha planejado novas tirinhas de humor negro para as próximas postagens, eu provavelmente me esquivaria de passar pelo teu fotolog depois desse nosso episódio!! Caso passasse, não as comentaria da forma como se deu!!

    Só que eu não faria isso, mas outro poderia vir pegar no teu pé por causa de uma dessas tirinhas, e como você ficaria??

    Acredito que quem encara fazer humor negro não pode ser sensível a esse tipo de coisa!! Pelos teus comentários percebe-se que confrontação é algo que você quer evitar, que te abala ao ponto de querer jogar a toalha, mas quem mexe com o polêmico, o provocativo, tem que peitar essas coisas, saber respeitar a contraposição e não se afetar pela crítica que ela resguarda!!

    Se teu objetivo é fazer rir, mudando abruptamente a linha editorial do teu fotolog cê pode pegar outro desavisado que não irá achar graça no que fez!!

    Talvez a saída que me ocorre é criar um novo espaço onde você possa exercitar essa prática de humor diferenciado para ser acessado por pessoas de gosto equivalente!!

    Somos artistas e sempre seremos sensíveis com relação a alguma coisa, cada um com algo específico, mas se você acha que vai mandar bem se enveredando por outras linhas editorias, é bom realizar alguns cuidados para não sofrer dissabores ao ponto de comprometer, por escolha pessoal sua, tua carreira já admirada e bem definida, ou seja, para que na próxima confrontação ou crítica que receber não achar por bem encerrar teus trabalhos com tirinhas, o que seria uma pena, para se dizer o mínimo!!

    Espero não estar sendo chato de novo, até porque a intenção foi de ajudar!!

    ResponderExcluir
  21. eu divulguei ela no facebook e essa postagem, achei o traço foda, e estamos aí pra isso, de uma forma tresloucadamente lúdica, enfiamos o dedo na ferida do que está a nossa volta, zé mané que vem com outro contexto é que é burro demais pra parar pra pensar e distinguir algo que está dúbio em nosso país: contexto e ironia.
    Uma tira dessa não pode, mas "videos news" na tv aberta com gente se fudendo as 2 da tarde pode...Esse país anda é cretino demais, isso sim...

    ResponderExcluir
  22. Porra, galera, vocês me citaram na conversa! Tô lisongeado pra caralho!!!
    meu trabalho é esse mesmo! Meus personagens são podres pra caramba! Afinal de contas, esperariam outra coisa de uma mosca e uma barata?!
    Lene, deixa de ser cuzão e continua mostrando a porra da realidade por meio do teu humor.
    Se ofendi alguém, bem... me processem! Brincadeira! Num processem não, afinal, mesmo que ganhassem, eu não poderia pagar porra nenhuma! Sou pobre, não sou limpinho e, aida por cima, nem sei desenhar direito!

    ResponderExcluir
  23. Ai que repulsivo. Achei as duas tiras de muito mal gosto. A primeira por causa do assassinato do cãozinho filmado via youtube a segunda nem quero mencionar.


    É preciso ver que essas tiras não são para crianças nem são para um público heterogêneo, são muito direcionadas para um certo tipo de pessoas.


    Os artistas devem conhecer seu público e oferecer o que esse publico almeja aí deve entrar o elemento da auto-crítica.

    Vocês precisavam de tiras tão nojentas pra levantar o assunto? Nossa.

    ResponderExcluir
  24. JJ, em todas as ocasiões que orbitaram esses questionamentos, seja no fotolog do Lene ou aqui, você soube instigar a importância desse debate, que creio que todos consideram realmente válido!!

    Mas ficou apenas nos questionamentos!! Até o momento não o vi expressar sua opinião, seu posicionamento a respeito!! E estou curioso, e não devo ser o único, para saber o que pensa!! Com a vivência e experiência que possui, acredito que sua opinião, independente se completamente formada ou não, irá nortear caminhos valorosos para essa discussão!!

    Então, o que pensa sobre essa questão dos limites levantados?? Que respostas daria para as perguntas que lançou??

    ResponderExcluir
  25. BOM,TEM MUITA GENTE QUE NÃO ME CHAMA DE SAPÃO PQ TEM NOJO DE SAPOS,MAS MESMO ASSIM CONTINUO COM O MESMO APELIDO. NAS TIRAS CHARGES E ETC... É A MESMA COISA VAI TER GENTE QUE IRÁ GOSTAR E OUTRA QUE NÃO. LENE VC É MUITO BOM ARTISTAS, SUAS IDÉIAS SÃO JÓIAS O QUE VC NÃO ENTENDEU É QUE PODERIA SER FEITO DE OUTRA MANEIRA.

    GOSTO MUITO DE VC PQ TB TE CONHEÇO PESSOALMENTE
    E SEI DE SUA CAPACIDADE!

    GRANDE ABRAÇO

    SAPÃO

    ResponderExcluir
  26. Ieei! Vou me meter também. Oque entendi da tira:
    Acredito que um cachorrinho daquele tamanho não tenha capacidade de irritar uma pessoa aquele ponto, então acho que a mulher descarregou seus problemas no cachorro! É péssimo, mas se eu tivesse que escolher entre ela bater na filha ou no cachorro, ainda prefiro que ela bata no cachorro. Ela bateu no cachorro enquanto tem muito tem cara por ai que enche a cara chega em casa arrebenta com a mulher e os filhos e não vi ninguém reclamando disso no facebook ultimamente.

    A vida da mulher provavelmente era cheia de problemas, e stress, e sem duvida criar uma filha deve ser estressante. Dai a metáfora da tira, quem cagou foi a menina, mas quem levou a culpa foi o cachorro. Acho que foi isso ai. Já vi casos oposto acontecerem. Já vi uma mulher chegar em casa abraçar e beijar o cachorro e só dizer "oi" pra filha.

    ResponderExcluir
  27. Olá, turma

    O que é necessário discutir e que motivou a orgigem desse debate é a questão da responsabilidade do autor com o seu público e com o seu trabalho.

    Ao publicar sua obra o artista a libera para o mundo e sua interpretação funciona à margem da intenção deste artista. Algumas obras tem interpretação mais direta e objetiva enquanto outras abrem lastro para multiplas leituras. Isto, creio, é necessário ser de conhecimento do artista. Independente da questão do assunto ou gênero.

    O artista do cartum, da charge ou dos quadrinhos atua como homem de comunicação e se propõe reflexões sobre um trabalho e se faz uso de total liberdade de criação, possui em conjunto uma responsabilidade sobre o que cria, podendo em casos extremos até ser judicialmente implicado por seu trabalho. O homem é responsável pelo que fala, mas não precisa ser implicado por todas as possíveis interpretações de outrem.

    O que vai definir as possibilidades da cominucação das idéias além do próprio bom senso do artista é a lei do país em que ele vive. Todo o escopo que transcende a isto vai se tornar zona de testes pois não se sabe de ante-mão como a sociedade receberá uma ou outra abordagem sobre temas considerados tabus.

    Não vejo Angeli, Laerte ou Mino se explicarem por essa ou por aquela tira, charge ou cartum. Tanto pelo fato de terem passado da fase de aprendizado básico na questão "artísta-obra-veículo-público" quanto pelo fato de serem conhecedores de seu estilo, de sua linha de trabalho e de seus editores.

    O que está exposto aqui não tem pretenção de contradizer nenhuma das observações feitas anteriormente, consta aqui o meu "achismo" sobre o tema, assim como também faz parte do meu achismo acreditar que: Fazer arte implica aprender sempre.

    ResponderExcluir
  28. Caras, para mim, como espectador, na ficção pode-se tudo.
    Porém, reconheço que existe a Lei, a Moral (coletiva), as morais (individuais) e, para conviver, faz-se necessário lidar com isso.
    Todavia, sugiro aos autores e espectadores maior tolerância a obras de ficção. Para mim a fronteira é clara. E olha que sou um cidadão suscetível.

    ResponderExcluir
  29. O cara disse que vai parar de desenhar?

    ResponderExcluir
  30. Bacana esse post e alguns comentários. Não tive paciência de ler todos.
    O que acho preocupante é a possibilidade de o Lene parar as tiras, ou qualquer outra coisa que ele costuma fazer com desenho. O cara é um gênio.
    Tem gente levando a vida a sério demais, mas isso é de cada um. Acho que o Lene deveria relevar certas coisas e não levar tudo que as pessoas escrevem tão a ferro e fogo.
    Portanto, fica aqui o meu apelo para que o Lene continue. Com humor, com coragem ou com ambos.

    ResponderExcluir
  31. Pra quê o cara vai parar de desenhar? Quantos anos ele tem? 12? Imagina se o Angeli parasse de desenhar quando alguém falasse mal da tira dele.

    ResponderExcluir
  32. Quanto à questão da censura acho que as pessoas precisam ter "semancol". Se for abordar um tema controverso tem que ter fibra e não choramingar com qualquer crítica. Tenho amigas que desenham e não tem esse melindre.

    ResponderExcluir
  33. As motivações que nos impulsionam como artista é algo relativo!! Tanto posso dizer que não vou parar de produzir quadrinhos de jeito nenhum mesmo tendo uma arma apontada para cabeça, como num belo dia, sem maiores motivos, posso revolver jogar tudo pro alto!! Afinal é a minha vida e ninguém tem nada com isso!! Vai de cada um e do momento que o sujeito se encontra!! Isso deve ser respeitado, e alguns comentários por aqui estão esquecendo disso!!

    Agora, como estão questionando o que o Lene disse sobre parar, acho que isso não vai acontecer!! Ninguém, repito, ninguém quer ou jamais quis isso!! O talento do cara é inquestionável!! Resolvi fazer uma tirinha, coisa que não tenho prática e penei um pouco, para abordar minha perspectiva de todo esse assunto, para expressar com arte o que com palavras nem sempre fica plenamente compreensível::


    http://www.osinvictos.com/2011/12/vivendo-e-aprendendo.html


    Portanto, Lene, lança logo tua próxima tirinha que ela com certeza vai receber a atenção de todos, pois a expectativa é das mais positivas e genuínas!!

    ResponderExcluir
  34. Podia ser uma piada sobre uma parente dele sendo estuprada. Seria legal, né? Num é tudo piada? Pra quê levar a sério?

    ResponderExcluir
  35. Fiquei triste em saber do pensamento dele de parar e feliz quando ele disse que não ia fazer isso. Achar esse equilíbrio no que diz respeito a opinião dos outros é difícil. Acredito que devemos fazer tudo artisticamente primeiro e principalmente pra nosso próprio gosto, até porque é impossível adivinhar oque os outros querem, mas paralelo a isso todo artista que ser ser reconhecido e elogiado. Acho que você tem que questionar tudo as vezes, tanto elogios quanto críticas e saber que os dois estão na mesma categoria, chamada: Opinião dos outros. O Dave Sim (criador de Cerebus) disse que você não deve perder muito tempo feliz porque foi elogiado, nem triste porque foi criticado, não faz diferença porque no fim das contas você vai ter que voltar ao trabalho de qualquer jeito no dia seguinte. Isso tudo que acontece nos deixa mais fortes, agora parar não, vamos indo até onde der, e ainda dá pra ir muito.
    DJ.

    ResponderExcluir
  36. MAuito bacana a participação de todos nesse tópico, acredito que muito foi assimilado com a experiencia, principalmente o fato de que estamos num emio dinâmico e repleto de cabeças pensantes com colaborações que enriquecem nossa maneira de observar e ver as coisas.

    Que esse ano de 2012 comece com o pé direito para todos ew que novas idéias surjam, novos espaços sejam fomentados e que novos processos de aprendizado tenham início!

    No dia 28 celebramos a diversidade de estilos e gêneros dos quadrinhos brasileiros e levamos adiante o projeto de unir e promover intercambios entre produtores, colecionadores e público em geral. Que os quadrinhos brasileiros consigam ir mais longe e mais fundo!

    FELIZ 2012!

    Agora começa a contagem regressiva para O DQN!

    ResponderExcluir